sexta-feira, 9 de abril de 2010

Análise Biomecânica do SAQUE - Fase 1




       Agora sim!!! Darei início aos posts técnicos, com informações sobre as técnicas utilizadas no tênis moderno, baseadas em Ciência, mais especificamente na Biomecânica. Como escrevi anteriormente, começaremos pelo golpe mais importante do tênis: o Saque. 
     Nesta primeira parte (Posição Inicial), discutiremos basicamente a importância do posicionamento dos pés. 

Posicionamento do pé da frente - a maioria dos tenistas posicionam o pé da frente a aproximadamente 45 graus em relação à linha de base. De uma forma mais prática: apontam o pé para o postinho da rede (lado direito para os destros). Este posicionamento se mantém independente do lado em que o tenista saca: deuce court (área de saque do 40 iguais) ou advantage court (área de saque das vantagens). Confira nas fotos abaixo:

Clique para Ampliar

Como toda regra tem sua exceção, alguns jogadores posicionam o pé da frente paralelamente à linha de base (Pete Sampras) ou até levemente voltado para o fundo da quadra (Lleyton Hewitt). Confira nas imagens:

Pete Sampras
Pé da frente: apontando para o lado

 
Lleyton Hewitt
Pé da frente: apontando para trás

Deixando de lado as variações, o importante é saber que o pé da frente tem a função de sustentar o eixo por onde ocorrerá a rotação do quadril, uma importante fonte de potência do saque. Portanto, experimente os diversos posicionamentos do pé da frente e escolha aquele em que você se sente bem e consegue realizar a rotação confortavelmente.   


Roger Federer
Pé da frente: início do Eixo de Rotação

Posicionamento do pé de trás - o posicionamento do pé de trás apresenta menores variações entre os tenistas profissionais. Quase sempre estão posicionados paralelamente à linha de base. As maiores variações do pé de trás estão relacionadas à condução da perna (leg drive) durante o saque. Alguns tenistas utilizam a técnica foot-up (ocorre a condução do pé de trás em direção ao pé da frente) e outros utilizam a técnica foot-back (não ocorre a condução do pé de trás em direção ao pé da frente). Porém, este assunto fica para um outro post

Marin Cilic
Pé de trás: paralelo à linha de base

Distância entre os pés - muitos técnicos exprientes recomendam que o tenista mantenha a distância entre os pés aproximadamente na mesma distância entre os ombros.  

  Andre Agassi
Distância entre Pés = Distância entre Ombros  

    Esta distância entre os pés é muito importante para que o tenista consiga executar um adequado "balanço" durante o saque. O que seria esse "balanço"? Repare que muitos tenistas iniciam o saque com o peso do corpo deslocado para frente, concentrado no pé esquerdo, no caso dos tenistas destros (Figura 01). Antes de lançarem a bola (toss), transferem o peso para o pé direito. Neste momento, alguns tenistas chegam a levantar a ponta do pé esquerdo (Figura 02). Voltam então a concentrar o peso do corpo para o pé da frente, que como vimos anteriormente, funciona como a base do eixo para a rotação do quadril (Figura 03).

Vitor Manzini 
Figura 01     Figura 02       Figura 03
     
Tenista executando o "balanço" durante o saque:


Um adequado afastamento entre os pés permitirá a utilização das 3 principais fontes de potência do saque:

Força de Reação do Solo - O ciclo de flexão/extensão dos joelhos será facilitado. Isso aumentará a Força de Reação do Solo (força aplicada para cima), aumentando também a impulsão vertical. Com uma maior impulsão vertical, o sacador terá a chance de golpear a bola em um ponto mais alto, fazendo a bola passar sobre a rede com maior facilidade;

Momento Linear - Haverá maior estabilidade para a realização do "balanço". Isso aumentará o Momento Linear (força aplicada para frente) do saque, e o tenista poderá projetar o corpo mais à frente;

Momento Angular - O tenista terá uma maior estabilidade para utilizar o giro do tronco, importante para gerar Momento Angular (força aplicada para o lado).

Evolução Técnica - Mesmo os melhores tenistas profissionais procuram o aperfeiçoamento técnico. Confira nos 2 vídeos abaixo, a evolução técnica do posicionamento de pés do tenista Rafael Nadal. Repare que no primeiro vídeo, os pés estão muito próximos no início do saque. O "balanço" do saque era prejudicado. Após 2 anos, Toni Nadal, seu tio e técnico, aumentou a distância entre os pés de Rafael, que melhorou seu momento linear durante o saque.     

Saque Nadal - 1o semestre 2005
 
Vídeo gravado por Ricardo Takahashi
Brasil Open - 2005

Saque Nadal - 2o semestre 2007
Vídeo gravado por Ludgero Braga Neto
US Open - 2007

Treino em Quadra - Um treino bem simples e eficiente para melhorar a força de reação do solo e também o momento linear, é sacar saltando sobre uma bola (ou outro obstáculo, como por exemplo uma esponja). Você pode, em um primeiro momento, executar o saque sem a bola, concentrando-se apenas no movimento dos pés. Depois saque com a bola. É importante tomar cuidado para não pisar na bola, literalmente. Para isso, faça o exercício com uma esponja ou outro objeto que não ofereça risco. Veja abaixo, o vídeo deste exercício:




Estudo de Caso _ Andy Roddick -  Como explicar a grande potência do saque de Andy Roddick? Primeiramente, é importante entendermos que são vários os fatores determinantes da potência de um saque. Poderíamos, por exemplo, explicar através da Fisiologia: Roddick deve possuir uma enorme quantidade de fibras musculares de contração rápida, com metabolismo anaeróbio (fibras brancas). Mas vamos nos ater na área da Biomecânica. Repare como Roddick já inicia o saque com os pés bem próximos. Vimos anteriormente que um sacador deve manter um bom afastamento entre os pés. Não é o caso de Roddick. Com este posicionamento de pés, Roddick já inicia o saque com poucas chances de gerar potência através do momento linear, pois não conseguirá realizar o "balanço" de forma eficiente. Isso é verdade, porém nas próximas fases do saque vamos perceber que ele compensa essa falha inicial. Repare nas 3 setas amarelas, elas representam 3 importantes fontes de potência:

  • Foto 3 - Momento Angular, gerado através da rotação de quadril;

  • Foto 4 - Força de Reação do Solo, gerada através da flexão/extensão dos joelhos;

  • Foto 5 - Momento Linear, gerado através da pronação do antebraço.               

         Clique para Ampliar

Sempre que falo sobre esse assunto, vem a pergunta: quer dizer que se o Roddick utilizasse um maior afastamento entre os pés poderia sacar mais rápido ainda?!? A minha resposta: Sim, poderia. Desde que este movimento não prejudicasse a coordenação temporal de todos os outros movimentos já utilizados no saque, conhecida como cadeia cinética

Erro Técnico Comum - Um dos erros técnicos mais cometidos por tenistas amadores é movimentar o pé da frente durante o saque. Se isso ocorrer, você estará transferindo antecipadamente parte do peso de seu corpo para frente. O pé da frente deve permanecer fixo durante o saque, pois como vimos anteriormente, ele serve como base do eixo para a rotação do quadril. Além disso, movimentando o pé da frente antes de tocar na bola, você poderá pisar na linha de base e cometer foot-fault. Veja vídeo abaixo: 



De que posição da quadra devo sacar?O posicionamento mais adequado em um jogo de simples, depende do lado em que o tenista vai sacar:   

Ad Court – Para sacar a partir deste lado, são possíveis 3 posições:
A – Se o sacador posicionar-se neste ponto, não será possível sacar efetivamente na área 3 (saque fechado). Além disso, boa parte da quadra à direita do sacador ficará aberta.
B – Este é o melhor ponto para variar o saque: área 4 (saque aberto) ou área 3 (saque fechado), além da seguinte vantagem: repare que o ponto B está colocado mais lateralmente (em relação ao centro da quadra) que seu equivalente (E) na Deuce Court. Essa diferença se deve ao fato de que a partir deste ponto é possível sacar mais aberto (área 4), atacando o backhand de seus adversários (aproximadamente 90% deles serão destros). Provavelmente a devolução de saque será na paralela (pois a cruzada exige um ponto de contato mais à frente), ou seja, em seu forehand, e então você poderá atacar seu adversário cruzando (X) ou batendo na paralela (//). Neste último caso, a jogada é conhecida como contra-pé (wrong foot).
C – Se o sacador posicionar-se neste ponto, não será possível sacar efetivamente na área 4 (saque aberto), pois a bola tende a deslocar-se em direção ao Recebedor (R2).

Deuce Court – Para sacar a partir deste lado, também são possíveis 3 posições:
D – Se o sacador posicionar-se neste ponto, não será possível sacar efetivamente na área 1 (saque aberto), pois a bola tende a deslocar-se em direção ao Recebedor (R1).
E – Este é o melhor ponto para variar o saque: área 1 (saque aberto) ou área 2 (saque fechado).
F – Se o sacador posicionar-se neste ponto, não será possível sacar efetivamente na área 2 (saque fechado). Além disso, boa parte da quadra à esquerda do sacador ficará aberta.

Estou à disposição para dúvidas, críticas e sugestões: ludgero@usp.br

Até o próximo post, onde discutiremos a Fase 2 do Saque.