sábado, 3 de julho de 2010

Análise Biomecânica do Saque - Fase 2

     

Primeiramente é importante definirmos os termos que dão o nome à esta fase:

Pêndulo – é a trajetória descrita pela ponta da raquete. A Foto abaixo mostra esta trajetória.
Clique para Ampliar
 
Mark Philippoussis

Toss - é o lançamento da bola.

A segunda fase da Análise Biomecânica do Saque consiste basicamente na descrição dos movimentos dos braços. Vamos discutir o movimento de ambos os braços: dominante (braço que segura a raquete) e não-dominante (braço que lança a bola). Também mostraremos a importância do movimento de pés durante esta fase - o "balanço" - mostrado na fase 1.

ROTAÇÃO DO QUADRIL DURANTE O TOSS - Existem basicamente 2 tipos de lançamento da bola (toss) quanto à utilização da rotação do quadril. O lançamento com rotação do quadril é chamado de "J invertido". Sua grande vantagem é permitir uma maior amplitude na rotação do quadril, que aumenta o momento angular, uma importante fonte de potência para o saque nas fases seguintes. O outro tipo de lançamento é chamado de toss em "I", onde o tenista praticamente não move o quadril nesta fase. Veja as Fotos e os Vídeos abaixo para entender a diferença entre os dois tipos de lançamento:

   Toss em "I"         Toss em "J invertido"




BOLA NAS PONTAS DOS DEDOS - Se o tenista executar o lançamento da bola com as pontas dos dedos, terá maior chance de controlá-la. Temos mais terminações nervosas nas pontas dos dedos, e consequentemente maior sensibilidade. Por isso os deficientes visuais utilizam esta região do dedo para lerem as escritas em Braille. Alguns tenistas realizam o lançamento com a bola posicionada na palma da mão, porém a tendência é lança-la para trás, o que não é recomendado.


Toss com as pontas dos dedos


Dica de Treino - Se você executa o toss com a bola na palma da mão e acha estranho utilizar as pontas dos dedos, faça o seguinte: inicie o saque com 2 bolas na mão, desta forma uma ficará na palma da sua mão e a outra nas pontas dos dedos. Treine até se acostumar.

COTOVELO ESTENDIDO - Outra importante dica para controlar o toss é realizá-lo com o cotovelo estendido. É o ombro que deve impulsionar a bola para cima. Se durante o toss houver uma flexão do cotovelo (como mostrado nas Fotos abaixo), o lançamento tende a sair para trás, prejudicando a transferência de força para frente (momento linear).

Clique para Ampliar

EXECUÇÃO DO BALANÇO - Como vimos na fase anterior, o "balanço" consiste na transferência da concentração do peso de um pé para o outro, com o objetivo de melhorar o momento linear (força exercida para frente). Nesta fase do saque, o tenista deve executar a transferência de peso desde o pé da frente (pé esquerdo para os destros) até o pé de trás (pé direito para os destros), como mostra as duas primeiras Fotos abaixo: 
  
Clique para Ampliar

Repare na segunda Foto, que a ponta do pé da frente perde o contato com a quadra. Isso sinaliza que o peso do corpo passou a se concentrar no pé de trás. Assim o tenista poderá gerar força para frente nas fases seguintes.  

AMPLITUDE DO PÊNDULO - Quanto maior a amplitude do pêndulo, maior será a distância em que a raquete poderá percorrer até a bola que foi lançada. Então, maior a chance do tenista em acelerar a raquete até esta bola, aumentando assim a velocidade instantânea em que a raquete atingirá a bola. A variável velocidade instantânea é muito importante para gerar potência no saque, porém não é a única. Isso explica porquê alguns tenistas conseguem sacar com bastante velocidade sem executar um pêndulo muito amplo. Provavelmente a resposta esteja na fisiologia muscular deste tenista. Exemplo: quantidade de fibras musculares de contração rápida, as chamadas fibras brancas. Veja abaixo (Fotos e Vídeos) a diferença entre um saque com pêndulo completo e com pêndulo reduzido: 

  Clique para Ampliar






Forte Abraço a todos... até a próxima!!!

7 comentários:

  1. tenho acompanhado seus temas postados e tem sido de boa utilização para complemento do meu conhecimento , agradeço , fui tecnico do juvenil numero um do brasil 14 anos vitor hugo galvão , e dou aulas no ttc , grajau tennis e academia egberto caldas no rio , abraço e espero mais comteudos .

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, pela qualidade das matérias .

    O jogo de tenis e seus profissionais sempre foram alheios aos conhecimentos cientificos, porém essa realidade necessita mudar. E pessoas como você tornam a ponte entre a universidade e a prática possíveil.
    Não podemos mais aceitar o provisionado,as pessoas que não gostam de estudar, os profissionais não são comprometidos com o desenvolvimento deste jogo em todas as escalas.
    Mais uma vez Parabens e continue sempre com as pesquisas.
    Abraço

    Denis Cleiton www.tenniscomdenis.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Bom dia Prof. Ludgero

    Suas informações são de muita importância, até mesmo, para jogadores armadores como eu, porém que procuram aperfeiçoar sempre seus movimentos.

    Agradeço desde já por tudo que tem postado e escrito.

    Gostaria de saber onde posso encontrar informações de como executar o movimento de saque para o segundo saque, pois na internet, existem muitas informações divergentes.

    Um grande Abraço

    Robson

    ResponderExcluir
  4. muito bom esses detalhes é interessante ver esse outro lado que tem detalhes apenas no olho fica dificil de enxergar e como ja aconpanhei seu trabalho sei a importancia de cada estagio do saque ..parabens!!

    ResponderExcluir
  5. Muito Bom Ludgero!!!
    Sensacional a sua análise e didática!!!

    Um abraço,

    Roberto Pagliotto

    ResponderExcluir
  6. muito bom, poder contar com ajuda de profissional competente. Estou a frente de um projeto social na cidade onde moro, leciono tênis para pessoas carentes e as dicas tem sido fundamentais.

    ResponderExcluir