quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

O segredo de Rafael Nadal: um visionário chamado Tony.

        
 Em junho de 2008, após assistir à final de Wimbledon, passei a procurar explicações para a enorme evolução de Rafael Nadal nos últimos três anos. Ele acabava de bater o ícone Roger Federer onde menos imaginávamos: na grama!
         Em 2005, o fisioterapeuta Ricardo Takahashi havia filmado o Nadal no Brasil Open e me trouxe as fitas, já impressionado. Porém, naquela ocasião, mesmo já apresentando indícios de ser um jogador mentalmente forte, Nadal jogava quase encostado no fundo da quadra, coloca muito topspin defensivo (reverse forehand), raramente sacava a mais de 180 Km/h, seu slice de backhand sempre flutuava, e procurava a rede só no final do jogo: para cumprimentar seu adversário. Como explicar então esta meteórica evolução? Pois a quem eu assisti nesta final de Wimbledon 2008 foi “outro” Nadal, pelo menos taticamente: golpeando slices de backhand rápidos e baixos, procurando a rede e desferindo saques a mais de 200 Km/h.
          Esta evolução tática foi possível devido às mudanças técnicas realizadas durante estes anos. Compare por exemplo a distância entre os pés de Nadal na fase inicial do saque: há três anos, os pés se posicionavam praticamente juntos, prejudicando a transferência de energia para a bola. Atualmente esta distância é muito maior. Esta e outras várias mudanças foram possíveis graças à visão aberta de Tony Nadal, tio e técnico de Rafael. Um técnico diferente. Há dez anos, mesmo sem um histórico como treinador de grandes tenistas, mas tendo um sobrinho com grande potencial, Tony passou a buscar informações com outros treinadores da Europa. Até hoje, Tony abre espaço a outros técnicos: recebe sugestões, filtra, avalia, e quando percebe que será útil para seu pupilo, convida este técnico para viajar com sua equipe por algumas semanas.
           Essa disseminação de conhecimentos entre técnicos é muito importante para o desenvolvimento do Tênis. Aqui no Brasil, isso tem melhorado bastante na última década, com a realização de Cursos para técnicos. Espero que isso nos sirva como lição.

Um comentário:

  1. Concor plenamente com as informaçoes infelismente acho se outros tenistas tivessem uma mente um pouco mais forte o Federer nao dominaria tao facilmente os jogos é claro que ele tem seus méritos mas o nadal tecnicamente é muito abaixo dos top 10 e mesmo assim é o unico que assusta Féderer. ..abraço

    ResponderExcluir